domingo, 26 de outubro de 2008

Quantum of Solace - antecipação

«'I've seen flagrant infidelities patched up, I've seen crimes and even murder forgiven by the other party, let alone bankruptcy and every other form of social crime. Incurable disease, blindness, disaster - all these can be overcome. But never the death of common humanity in one of the partners. I've thought about this and I've invented a rather high-sounding title for this basic factor in human relations. I called it the Law of the Quantum of Solace.'»

O excerto acima transcrito faz parte de Quantum of Solace, uma das short-stories que Ian Fleming escreveu ao longo da sua vida. Juntamente com From a View to a Kill, Risico, Octopussy, The Living Daylights e For Your Eyes Only (entre outros), Quantum of Solace surge agora numa nova edição da Penguin Books (um bem-haja!) de título homónimo. Esta edição surge num momento muito próprio, uma vez que pelo conteúdo não há nada de novo: trata-se de uma colectânea de todas as short-stories já editadas em dois volumes, o primeiro de título From a View to a Kill e o segundo de título Octopussy/The Living Daylights.

Quantum of Solace, a aventura que dá título ao 22º filme de James Bond, é uma história atípica nas aventuras do agente britânico. Aliás, em abono da verdade, não se pode considerar uma aventura àquilo que se passa nas vinte e cinco páginas do conto. A acção decorre em Nassau, num chato jantar na casa do governador. Depois dos convidados saírem, ficam apenas o anfitrião e o agente secreto, a conversar. É uma frase de Bond, «''I've always thought that if I ever married I would marry an air hostess», para quebrar o gelo, que despoleta toda a narração de uma história de uns conhecidos do governador e que tornam Bond no principal espectador e alvo de uma moral escondida...

Pois bem, de que se trata então de Quantum of Solace? Quantum of Solace é, tal como se leu no excerto, um estado de espírito.

«'They [man and a woman] can survive anything so long as some kind of basic humanity exists between the two people. When all kindness is gone, when one person obviously and sincerily doesn't care if the other is alive or dead, then it's just no good. That particular insult to the ego - worse, to the instinct of self-preservation - can never be forgiven.'»

O que esperar, então, de Quantum of Solace, o filme? Vamos ter, não um Bond passivo, a escutar velhas histórias enquanto bebe brandy recostado num incómodo sofá, mas sim um Bond vingativo, à procura dos responsáveis pela morte de Vesper (que, relembre-se, o traiu), completamente imerso no estado psicológico de Quantum of Solace: frio, seco, duro e implacável.

Teremos o Bond mais "negro" de todas as aventuras do herói britânico?

Pedro Xavier

2 comentários:

Fifeco disse...

Honestamente, espero que este bond seja mesmo mais negro. Já o outro o foi e veja se o resultado... o melhor filme de sempre no que aos bonds diz respeito.

O noir está mesmo a voltar. Primeiro Dark Knight, agora Bond e futuramente será o Superman.

A ver vamos como estes resultam

Abraço

FaRu disse...

Qualquer Bond será digno de conhecer mas um num registo diferente da sua normalidade faz aumentar a curiosidade e como tal será ainda mais! Não só terá esta versão um bond mais "negro" como também com um lado mais humano?!

(Os comuns dos mortais esperam para ver...)